españoles en argentina - querella querella argentina
INICIO -> Artículos -> Associação Garcia Lorca apoia ''Frente de Todos'' contra desastre macrista

30.10.2019 Artículos

Associação Garcia Lorca apoia ''Frente de Todos'' contra desastre macrista

Créditos da foto: ''Com Macri, o neoliberalismo está tão marcado em todas as esferas de governo que devastou a vida de milhões de pessoas, sobretudo pela perda de emprego, jogando muita gente na marginalidade'', afirma Gustavo Fernandez, um dos líderes da entidade (Elineudo Meira)

Associação Garcia Lorca apoia ''Frente de Todos'' contra desastre macrista querella argentina

Pela criatividade e desprendimento com que tem atuado nestes últimos anos, e também pela capacidade de aglutinar em rede os filhos, netos e até bisnetos das muitas centenas de milhares de espanhóis que fizeram da terra de San Martín e de Perón a sua segunda pátria, fomos ouvir os dirigentes da Agrupação Federico García Lorca.

Mais do que pedindo votos para Alberto Fernández e Cristina Kirchner, a Lorca vai fiscalizar para que os neoliberais sejam definitivamente derrotados e se abra um novo período de progresso e integração para o país e para a região. A prioridade agora é a construção de “uma Argentina para todos”, como diz o slogan da campanha.

Exaltando a coragem e a honradez do poeta e dramaturgo republicano assassinado pelos fascistas espanhóis em 1939, a Lorca tem ocupado lugar de destaque no último período seja na capital, Buenos Aires, ou no interior, sempre fortalecendo a luta por “verdade, memória e justiça” contra as ditaduras, profundamente comprometida com os processos populares da nossa América Latina.

Mais do que recordar, a Lorca está empenhada em dar carne e vida ao pensamento de um gigante que tombou de pé, conclamando a não nos deixarmos alienar ou abater. Que ensinou com seu exemplo a que não devemos jamais renegar o que somos, nem para onde iremos. “Há coisas encerradas dentro dos muros que, se saíssem de repente para a rua e gritassem, encheriam o mundo”, nos dizia.


Portanto, rompamos os muros.

Companheiros Gustavo Fernandez e Clelia Volonteri, como lideranças da García Lorca, como avaliam a eleição deste domingo diante dos sucessivos ataques do governo Macri ao presente e ao futuro dos argentinos?

Gustavo Fernandez – Tratar de mudar o rumo neoliberal implantado por Mauricio Macri e voltar a ter um projeto nacional, com um caráter inclusivo. Com Macri, o neoliberalismo está tão marcado em todas as esferas de governo que devastou a vida de milhões de pessoas, sobretudo pela perda de emprego, jogando muita gente na marginalidade. Precisamos voltar ao mesmo projeto iniciado com Néstor Kirchner em 2003 que buscava a redistribuição da riqueza com um caráter social, diferente do esquema mercantilista atual. Acreditamos que o kirchnerismo representa essa corrente ideológica que busca se contrapor a um modelo de exclusão que vem sendo aplicado desde a época da ditadura.

Infelizmente, durante os 12 anos em que fomos governo com o kirchnerismo, nunca estivemos no poder, que sempre esteve nas mãos do setor econômico, financeiro e dos grandes latifundiários. Nas mãos de uma oligarquia que trabalha em consonância com a Embaixada dos Estados Unidos e os interesses internacionais. Seu objetivo é claro: que a Argentina seja uma espécie de provedora de matérias-primas, com mão-de-obra barata, à custa da fome e da miséria do povo.

Para a manutenção do poder e desses privilégios em tão poucas mãos, qual tem sido o papel dos conglomerados privados de comunicação?

Clelia Volonteri – Durante todo o governo de Néstor e Cristina Kirchner os meios de comunicação massivos estiveram praticamente contra tudo o que eles faziam, porque obedecem a um conglomerado enorme que é o Grupo Clarín. São meios de comunicação hegemônicos que trabalharam abertamente para sabotar o governo de Néstor e Cristina. Quando subiu Macri houve perseguições a jornalistas que defendiam o interesse nacional e popular, multiplicando-se os presos políticos.

Macri implantou uma política de privatização e desnacionalização do patrimônio público. Como ela foi sustentada pela mídia?

Clelia Volonteri – Primeiro é preciso destacar, e isso é uma opinião minha, que Cristina foi excessivamente democrática ao permitir que a mídia caluniasse e difamasse as figuras de maior expressão do kirchnerismo, sem qualquer prova. Isso tudo dentro de uma estratégia.

A presidenta retirou uma disposição com a qual não se podia agredir ou difamar, acabou com a lei de calúnias, o que permitia que dissessem qualquer coisa com total impunidade. Desta forma, Macri, de posse dos meios de comunicação, se viu muito mais fortalecido e tirou do seu caminho a Lei da Mídia, que era uma conquista da sociedade. Os meios então se dedicaram a blindar o governo Macri, minando todas as figuras do Kirchnerismo com um slogan que marcou muito nas pessoas: “Eles roubaram tudo”. Isso sem ter nenhuma prova.

Gustavo Fernandez – Outro problema é que houve um setor da Justiça que validava esta mentira. Assim aparecia um juiz bancado por estes setores e logo uma investigação feita pela mídia repercutia, retroalimentando e validando sem provas. Assim foi no macrismo para justificar os monumentais reajustes de tarifas e uma política contrária ao povo.

Dessa forma passou a se ver pessoas com fome pelas ruas e corriam rumores que eram militantes que se vestiam de indigentes para criar um clima social desfavorável. Isso dá uma mostra do golpe que nos deram envolvendo imprensa, Justiça e política.

Clelia Volonteri – Um exemplo contundente foi a prisão de Milagro Salas [Primeira presa política de uma lista que já soma 60 (sessenta!) líderes populares perseguidos pelo governo de Mauricio Macri, é dirigente da organização Tupac Amaru, foi eleita deputada regional em 2013 e deputada do Parlamento do Mercosul (Parlasul) em 2015], que expressa o tamanho do ódio de classe e a boa cota de racismo e de fascismo deste governo.


Qual o papel do Kirchnerismo na história argentina?

Gustavo Fernandez – O Kirchnerismo abre uma porta e faz um convite à militância para participar da política. Nós que somos descendentes de espanhóis temos uma identidade política marcada pelo exílio republicano e por todo o significado que tem o anti-franquismo na Argentina. São coisas que geraram este encontro, a sintonia com o projeto de Néstor Kirchner, do que ele representava, e dentro desta conjuntura nasce a nossa organização.

Neste contexto o que nos propomos é recuperar a identidade política dos anti-fascistas espanhóis dentro de uma luta mundial e traduzi-la para os tempos atuais, uma vez que os objetivos se assemelham aos daqueles da República espanhola. Há pontos muito coincidentes e, portanto, a reação da direita é coincidente. Pode não ser tão violenta como sofreram nossos avós, mas há toda a rede de mentiras e calúnias, da mesma forma que eles sofreram na República espanhola, com outra tecnologia, mas com o mesmo conteúdo. Temas que se repetiam, como o da construção de Franco como líder, a mesma ideia. Felizmente, temos uma bagagem política que nos permite ver as coisas do outro lado.

Clelia Volonteri – No meu caso sempre fui socialista, de esquerda, mas foi a partir de Néstor e Cristina que me aproximei do peronismo e da Agrupação Federico García Lorca, pois me sinto profundamente identificada com a República espanhola. A Argentina recebeu muitos refugiados republicanos e sempre deixou claro que esta não é uma causa da Espanha, mas da Humanidade.

Uma das linhas de atuação da agrupação de vocês é precisamente a defesa dos direitos humanos. Em relação a este ponto em especial, qual a diferença da política do atual governo para a dos Kirchner?

Gustavo Fernandez – Há uma visível diferença do Kirchnerismo, quando se pôde julgar os genocidas e implementar uma política de verdade, memória e justiça, diferente daquela implantada na Espanha. Na Argentina, o Estado aportou tudo para que se pudesse investigar e adotar uma política de direitos humanos. Tanto é assim que lá nos tomam como exemplos. Temos inclusive uma ação contra os crimes de lesa-humanidade do franquismo, baseada no direito internacional, que tem grande significado e repercussão.


A vitória neste domingo dará continuidade e impulso a esta luta.

Leonardo Wexell Severo é jornalista do HP e integra o Coletivo de Comunicação Colaborativa ComunicaSul, que está cobrindo as eleições na Bolívia, Argentina e Uruguai com o apoio das seguintes entidades: Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Hora do Povo, Diálogos do Sul, SaibaMais, Fundação Perseu Abramo, Fundação Mauricio Grabois, CTB, CUT, Adurn-Sindicato, Contee, CNTE, Sinasefe-Natal, Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, Sindsep, Sinpro-MG e Apeoesp.

*Publicado originalmente em Hora do Povo

RECIBÍ NUESTRO BOLETÍN INFORMATIVO : ENVIAR